22 de abr de 2009

Mehmed II - Drácula

Mehmed II [baseado na foto de Ahmad Shah Massoud]

Esse é um dos pivôs do conflito na Romênia no séc. XV. O império Otomano queria expandir suas fronteiras para o ocidente e no meio do caminho estava a Hungria e a Romênia, que na época era formada por 3 estados menores (voivodato): Wallachia, Moldávia e Transilvânia.

Por serem estados menores, mais fracos militarmente e economicamente estavam sempre oscilando entre a influencia turca e a Húngara. Quando a Hungria enfraquecia, eles se aliavam aos Otomanos, quando os Otomanos enfraqueciam, eles pediam desculpas e voltavam às asas da Hungria. Claro que eles estavam mais propensos a se aliarem com a Hungria devido à proximidade geográfica, familiaridade cultural e religiosa.

É nesse contexto que Dráculea (no original) viveu seus primeiros anos. e assim como outros soberanos da região também mudou de lado constantemente.

Mehmed II foi um dos Califas da época de Vlad II e de Vlad III, e tem uma participação importante em sua vida. Foi no primeiro sultanato de Mehmed que Vlad III e seu irmão Radu foram reféns. Mais tarde em seu segundo Sultanato, Vlad III foi forçado a aliar-se com Mehmed e em 1476 seus exércitos venceram Vlad III, depois dele invadir a Wallachia. Vlad III foi morto pelos exércitos turcos em 1476 perto da cidade de Bucareste. Mehmed II governou até 1481, e foi ele o responsavel pela queda de Constantinopla.

Mehmed II era, pelo pouco que eu achei sobre ele em português, um sultão na linha de Saladino, mais tolerante com os vencidos.

21 de abr de 2009

Matias Corvino - Drácula

Matyas Hunyadi (Matias Corvino rei da Hungria)

Sem ânimo para reflexões... To fazendo umas pesquisas históricas, Reis da Hungria, Sultões Otomanos, Príncipes Wallachios, Boiardos... Afff muita coisa...

Quando terminar as pesquisas coloco uma breve descrição da história da Hungria.

20 de abr de 2009

João Corvino - Drácula

João Corvino (Hunyadi János)e Brasão 

Quebrando minha promessa de todo dia postar algo, estou aqui, numa segunda feira, depois de dois dias sem nem pegar num lápis, colocando essa imagem de João Corvino. Quanto mais eu pesquiso sobre a história de Vlad III mais eu penso que eu TENHO que escrever sobre a origem do Drácula. Quer dizer... Muitos já leram o livro e mesmo que não tenha lido, a premissa básica é a mesma desde o cinema mudo. Acho que uma adaptação tem a difícil tarefa de conciliar duas coisas: acrescentar algo novo e se manter fiel a essência da obra.

Pensei em três possibilidades para isso. A primeira é colocar pequenas referencias a sua vida antiga, quando ainda era príncipe da Valachia. Uma possibilidade mais ousada que eu venho cogitando já faz algum tempo é escrever capítulos inteiros sobre o passado do Conde. A terceira e ultima é tentar utilizar um recurso que vi numa história da “Acme novelty library” do Chris Ware. Numa das edições ele duas historias são contadas ao mesmo tempo na pagina, ambas interliga. Muitos trabalhos narrativos (filmes, livros ou quadrinhos) abordaram a continuidade linear. Trabalhos que pulavam do passado (ou futuro) para o presente, que contavam a história ao contrario (“Amnésia”, “Irreversível”), mas que contam duas histórias ao mesmo tempo (que eu tenha visto), só a historia do Chris Ware.

A terceira hipótese é a que mais me atrai. No trabalho de Ware as duas histórias são interligadas, se passam no mesmo local, no mesmo tempo e seus personagens se esbarram no dia-a-dia. Com Drácula quero colocar o passado, presente e o futuro do conde, tudo na mesma página. Fazer isso com Drácula sem torná-lo chato ou confuso de mais vai ser bem difícil...

A primeira coisa é pensar no layout. Dividir a pagina em três limita bastante a o numero de quadros, o tamanho das imagens e as possibilidades de organização de cada fragmento. Os ganchos (ganchos são cenas que instiguem o leitor a virar a pagina) são outra coisa que me preocupa... Cada período de tempo deve ter seu gancho? Se o leitor ler a historia lendo de maneira continua acho que não, mas se ele resolver ler só a parte da história que trata do passado de Vlad? Ou só os períodos do futuro? Fora outros detalhes que você só percebe quando esta produzindo ou mesmo quando o trabalho já está pronto.

Alguém deve ta se perguntando (eu espero!), “por que inventar tanto?” Primeiro como eu disse é pra acrescentar na história. Adaptar para uma nova linguagem traz possibilidades que a linguagem original não possibilitaria. Um filme poderia colocar duas histórias simultâneas, porem seria confuso dois diálogos acontecendo ao mesmo tempo... Os quadrinhos resolvem (como já foi visto no trabalho de Ware) melhor essa possibilidade já que é o leitor controla totalmente a leitura. Alem disso, explorar novos recursos, em minha opinião, é uma forma dos brasileiros ganharem espaço no mercado editorial.

Existem outros prós e contras que vou comentar ao longo da produção!

Flw!

17 de abr de 2009

Morcegos - Drácula de Bram Stoker


Que melhor símbolo para representar o Drácula que um morcego de coroa?

Não sei se pode se dizer que a idéia foi minha... Procurando imagens de morcegos para desenhar uma das cenas me deparei com um esqueleto de morcego (esse ai de baixo), o que vocês estão vendo acima da cabeça do esqueleto é a mandíbula dele detalhada, como a imagem  não estava grande o suficiente vi ali uma coroa (espero que vocês também consigam ver... não quero parecer maluco...). Achei genial! Não sabia como usá-la na história (ainda não sei pra falar a real...), mas enfiei na minha cabeça que ia pô-la nem que fosse como uma simples ilustração. A idéia principal é usá-la como uma imagem poética do Drácula, como fez Herzog no “Nosferatu” de 79.

Acho que vocês repararam que as duas imagens têm algumas diferenças entre uma e outra. Eu modifiquei vários detalhes do esqueleto para deixá-lo mais elegante. Deixei com a proporção mais parecida com a humana, Muitos dos ossos foram retirados de outras fotos, porque não queria ficar cego olhando esse esqueleto... O detalhe da mandíbula logicamente foi transformado numa coroa de ossos. Depois de fazer o desenho fiz algumas experiências com o photoshop, queria deixar os desenhos com caras de chapas radiográficas, como a história se passa no séc. XIX não sei se vai fugir muito do conceito os desenhos com as cores invertidas, então resolvi fazer outro com um tom amarelado, tentar dar a cara de papel velho.

Mais um post e novamente não terminei a igreja...

flw


Morcegos - Drácula de Bram Stoker






Difícil escolher um dos estilos para usar na graphic novel... Claro que a primeira vai ser descartada, foi meu primeiro teste, ajustando as cores. Mas quanto as outras estou em sérias duvidas... As invertidas são minhas favoritas, pois me lembram radiografias, porem a com toque de amarelo, que me lembra papel velho, se for trabalhada colocando detalhes de anotações e outros desenhos técnicos de zoologia pode ser que fique interessante.

16 de abr de 2009

Drácula - Drácula de Bram Stoker


Armadura - Drácula

...

Ai ai... O que dizer hoje... Ficar concentrado o dia todo no meu outro projeto me deixou sem animo... Ainda bem que já tinha esse desenho que fiz logo apos postar o anterior... Esse é o desenho da armadura, bem diferente do "Drácula" de 92, mas com algumas coisas em comum. A cor vai ser uma delas. Quero uma armadura vermelha com telhas em dourado e preto. o Manto que ele aparece em todos os retratos e esculturas também vai ser usado quando ele estiver com a armadura (apenas quando ele tiver comandando as tropas).

Se alguém tiver lido o livro (e estiver lendo esse blog...) vai se perguntar por que estou me dedicando tanto a detalhes antes da vida dele? Bom... Alem de ajudar no Background esses detalhes podem ser usados na história. Eu quero deixar bem próximo da essência do livro, mas estou pensando na minha adaptação de mudar varias coisas. Como já disse Rendfield é uma delas, mas também quero mudar um pouco a narrativa, acrescentar um pouco mais do passado de Drácula e talvez um pouco do futuro (é... talvez aqui eu esteja me adiantando e provavelmente me excedendo... Mas como eu gosto de arriscar).

Outra coisa que tenho que comentar a igreja ainda esta inacabada... por falta de paciência minha me dediquei a outras coisas para adiar desenhá-la... É isso. Mais uma vez consegui cumprir a meta!

Flw



14 de abr de 2009

Drácula - Drácula de Bram Stoker



Roupas Drácula

Depois de algumas horas de pesquisa to chegando a algum lugar com as roupas do conde. Preferi fugi de tudo o que já foi feito (pelo menos que eu saiba). Preferi usar a roupa que ele aparece nas pinturas só que com algumas modificações pra torná-lo mais nobre. A Roupa de Drácula tinha que ser nobre e rústica ao mesmo tempo, ele era um príncipe guerreiro, Lutou contra os mulçumanos, não podia ser uma roupa cheia de frescura (claro isso no séc. XV, mais tarde quero fazer grandes modificações na roupa).




insígnia da ordem do Dragão [modificada]

A insígnia vai ser dourada com uma cruz no meio e no meio da cruz um rubi. Ela vai ser usada para prender os dois lados do manto. Acho que vou desenvolver outras insígnias para outras partes da roupa

Mesmo tendo conseguido um visual razoável ainda vou fazer algumas alterações. Quero torná-lo mais sinistro uma roupa mais escura e esse design não fico bom com as cores que eu tinha pensado: detalhes em dourados, roupa preta, e manto sangue com detalhes em dourado e preto

13 de abr de 2009

St. Mary Church - Drácula de Bram Stoker

Esse aqui é um esquema da igreja, um esquema bem simples (e torto), ter esquemas sempre a mão facilita o trabalho. Um ajudante também não seria nada ruim (como eu invejo os mangakas que tem dois ou três ajudantes...). Como podem ver pela planta ainda falta a parte de trás da igreja (não coube na folha...), o outro lado dela as costas da igreja propriamente dita.

Ainda na pesquisa da igreja acabei descobrindo que o píer e a ponte da cidade mudaram no começo do séc. XX... Procura fotos antigas é uma merda (aqueles que tiverem pensando em fazer adaptações de livros, escolham livros contemporâneos, a pesquisa será mais fácil... ou escolham ficção cientifica que ai você pode inventar, se bem que têm de inventar tudo vai dar tanto trabalho quanto... Bom, fiquem com os livros contemporâneos! Pena que ai você terá que pagar direitos autorais... Bom em fim), os velhos morrem e levam suas fotos consigo... Graças que a nossa geração tem a internet! A próxima geração de quadrinistas terá menos trabalho...

O importante que amanhã eu posto o resto do esquema e ai terei mais tempo pra pesquisar sobre Purfllet. Preciso de uma mapa dessa... Seria cidade? Bom, preciso de uma mapa dessa Purfleet, de preferência um de 1890... O que vai ser difícil já que não achei nem um da nossa época. O livro usa quatro cenários: a Transilvania, Whitby, Purfleet (onde fica Carfax e o hospício de Seward, duas coisas fictícias que vou ter que criar só que infelizmente vou precisar de imagens da época) e Londres, que é a mais fácil. Acho que nesse ritmo posso terminar a pesquisa até junho de preferência com todos os personagens prontos (mas acho que os personagens vão consumir mais um tempinho, não tenho idéia de onde me basear os outros personagens).

Bom é isso, chega de reclamações.




12 de abr de 2009

St. Mary Church - Drácula de Bram Stoker

É... Maldito feriado... Quase não consigo terminar (quer dizer... postar, já que não está terminado...) e cumpri minha meta de um desenho (ou pelo menos um esboço) por dia. Essa é St. Mary Church, a igreja onde Lucy e impelida a ir pelo Drácula.  Mesmo não sendo o melhor local para uma história de terror há coisas boas nessa igreja. Ela não é grande e imponente quanto as igrejas góticas mas pelo menos possui um cemitério em volta auhaahuauha. Além disso logo atrás fica a ruína da abadia de St. Hilda que tem todas as características de uma igreja gótica!

 

Vamos aos fatos do desenho... Desenhar essa igreja vai ser um tremendo porre (não maior do que uma igreja gótica pelo menos). Como toda igreja ela tem minúsculos detalhes, ela é reta mas tem variações na espessura, janelas estranhas e nada elegantes (preciso ver se as janelas estranhas são originais). a parte de cima é como os dos castelos, uma alternância de altura (esses negócios devem ter algum nome...), que também é muito chato de desenhar (da muito trabalho de perspectiva) e por ultimo, mas não menos chato as lápides. Elas cercam um lado da igreja, são de vários tamanhos e formatos e ainda por cima fica umas sobre as outras nos desenhos em perspectiva!!! Terrível e trabalhoso... Se alguém quiser desenhar essa HQ é só pedir!

A St. Mary fica em Whitby  na east cliff subindo a 199 steps caso alguém queira viajar para lá.

 

11 de abr de 2009

Whitby - Drácula de Bram Stoler

Acho que é piração minha me preocupar com tantos detalhes (mesmo porque no livro Stoker nem da tantos detalhes assim e segundo porque poucos capítulos se passam aqui), mas não consigo evitar, só a cena que o Demeter chega a Whitby já compensaria a pesquisa (bem improdutiva pra quem não têm um bom inglês).

Ainda falta fazer as milhares de casa no mapa (o que me motivo a curti a Páscoa invés de desenhar). Todo o lado de West Cliff precisa de casas... Já em East Cliff só a parte de baixo precisa de casas (mesmo assim ainda é chato...).



Outro detalhe importante que me incomodava nesse feriado foi o local da casa de Lucy. Esses detalhes são o tipo de coisa que têm importância quando se lê, mas raramente se lembra após fechar o livro... Nesse caso ainda foi mais chato porque alem de ler o livro pra descobri o local em que as duas (mina e Lucy) estavam hospedadas ainda tive de achar um mapa de Whitby (o google earth me incomoda =P).

10 de abr de 2009

Demeter - Bram Stoker

Ver esboços tão mal feitos não me deixou dormir... Passei a noite toda pesquisando barcos e trabalhando nos esboços. Ainda falta muita coisa. Descobri que fazer um barco de frente e em perspectiva é uma daquelas coisas que não se consegue aprender na escola...

=PP



Agora a tarde vou trabalhar no mapa de Whitby.

9 de abr de 2009

Demeter - Drácula de Bram Stoker


Hoje o que eu vou colocar é um esquema da escuna Demeter que trás o conde para Whitby. O tipo de barco que escolhi para ser o Demeter foi o Clipper. O Cliper é um barco mais fino e comprido. Foi muito utilizado para viagens longas pois não precisavam reabastecer de carvão (no fim do séc. XIX os barcos a vapor já estavam se popularizando).



Esse esquema ainda não esta bom... Acho que preciso torna o Demeter mais comprido. Ele também está muito alto...

8 de abr de 2009

Kitsune


Kitsune foi meu trabalho de Graduação em Artes na Santa Marcelina, mas não é uma obra acabada. Kitsune é o primeiro capítulo de uma historia baseada no folclore japonês que conta o surgimento da raposa (Kitsune no japão).


O primeiro capítulo conta como Hito Sanso (um Lobo e uma Gata) se encontram. Optei por uma narrativa simples e linear no roteiro para poder experimentar algumas idéias das possibilidades das Artes Plásticas. Uma das questões fundamentais em Kitsune é o layout. A idéia principal era adaptar os efeitos expressivos da câmera no filme “Irreversivel”, por isso em algumas paginas a revista deve ser "virada" para ser lida.

A segunda questão é sobre a tipologia. Eu queria integrar mais a fonte com a imagem, por isso descartei os balões e recordatorios. O leitor identifica as vozes das personagens pela fonte. Cada personagem possui uma fonte diferente (nesse capítulo há apenas 2 personagens).


A terceira e ultima questão é linearidade. Apesar do roteiro ter sido escrito de forma linear, imaginei ela sendo publicada como cada pagina sendo uma prancha solta onde cada leitor pode escolher a sua ordem de leitura (algo que não é possível na internet, já que cada pagina precisa de um nome diferente)

Tá ai um breve resumo do meu trabalho. Quem se interessar embaixo estão os links da versão em PDF e em JPG zipado:


Versão PDF

http://www.esnips.com/doc/9baaefaa-0285-4d19-9032-242abeb596f9/HQ-final-eletronica 

Versão JPG compactado em ZIP

http://www.esnips.com/doc/a6ed5115-e74f-45a9-b574-8e60d5259789/Kitsune-Hq-eletrônica-[jpg]

Ou no Fliker

http://www.flickr.com/photos/arackawa/sets/72157613517908605/

 


7 de abr de 2009

Rendifield - Drácula de Bram Stoker



Esse é o Rendifield que eu vejo no livro! Não o lunático pateta que fizeram nos filmes! O Rendifield que eu vejo é muito mais parecido com o Hanibal, os dois são intelectuais, apreciam a carne humana (quer dizer.. um a carne e o outro o sangue) os dois estão num hospício. Pena que não utilizam todo o seu potencial. Se as cenas do morcego voando no Nosferatu de Herzog conseguem ser belas e ameaçadoras imaginem as cenas de Rendifield coletando seus insetos!


Como eu disse o Rendifield pra mim é muito mais próximo do Hanibal Lacter (o do "silencio dos inocentes"), inclusive visualmente - não que de pra ver semelhanças... Isso foi o mais perto que consegui fazer do rosto do Anthony Hopkins, também cheguei a pensar em fazer algo mais parecido do Jack Nicholson em o iluminado mas achei melhor continuar com um Rendifield mais sutil.

Drácula - Stoker

Caramba... Finalmente achei uma utilidade para esse Blog... Resolvi fazer dele em um arquivo com os meus projetos inacabados...

A primeira coisa que resolvi postar é a adaptação do Drácula que comecei esse ano (e está muito longe de chegar a uma conclusão...). Eu quis um Drácula que fosse o monstro que aparece no livro, não as versões ridículas da Hamer (é assim que se escreve?) e nem as versões românticas do Herzog e do Coppola. Claro que pretendo me apropriar de varios detalhes das outras versões fílmicas.

Visualmente me baseei tanto no retrato de Vlad III (a inspiração de Stoker para o Drácula) quanto em Gary Oldman e nas descrições do livro. O rosto já esta chegando a algum lugar... Mas o resto do visual, ainda não tenho idéia... No Livro Stoker descreve o conde sempre de preto sem nenhum detalhe (visual que Murnau adotou no seu Nosferatu). A minha pretensão é chegar num meio termo, pesquisas sobre trajes típicos da Transilvânia durante os sec. XV até o XVII (como ele é viveu durante muitos séculos pretendo fazê-lo com roupas de varias épocas).